Rua Divina Misericórdia, s/n

Condomínio Nova Valqueire

Vila Valqueire, Rio de Janeiro

Telefone: 2453-3684

https://www.santuariodamisericordiarj.org.br/

O Santuário está sob cuidados dos Padres:

Reitor: Pe. João Sopicki SAC

Pároco: Pe. Jurandir do Nascimento SAC

Vigário: Pe. Anselmo Mantovani de Souza SAC

O Território de atual paróquia da Divina Misericórdia fazia parte da paróquia de São Roque. No ano 1979 o pároco, Pe. Tadeu Korbecki, conseguiu da empresa “Ecia – Irmãos Araújo” a doação dos terrenos para construção da igreja da Divina Misericórdia, Vila Valqueire, Rio de Janeiro. Já no ano seguinte, com a ajuda de um arquiteto e engenheiro, Pe. Tadeu preparou o projeto da igreja. Quando eles foram aprovados, foi possível começar. No primeiro pedido de ajuda para edificar a igreja, ninguém respondeu. O próprio Pe. Korbecki começou a cavar com uma pá. Depois chegou uma pessoa disposta a ajudar e trabalharam juntos por alguns dias. Logo, paulatinamente, as pessoas começaram a se conscientizar e a ajudar, organizar equipamentos e a trabalhar realmente comovidas. Portanto, já em 27 de setembro de 1981, o bispo auxiliar da Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, Dom Carlos Alberto Etchandy Gimeno Navarro, abençoou a pedra fundamental – o alicerce estava pronto. O Reitor Geral dos palotinos, Pe. Ludwig Münz, participou dessa celebração.  A construção das paredes do templo foi concluída em maio de 1983. Pe. Tadeu realizava obras elétricas e hidráulicas. A igreja foi construída sem nenhum subsídio. Em 9 de maio de 1983, o Cardeal Dom Eugênio de Araújo Sales, arcebispo do Rio de Janeiro, fundou a paróquia da Divina Misericórdia, e Pe. Tadeu foi nomeado o primeiro pároco. No mesmo ano iniciou-se na paróquia, o Coral da Divina Misericórdia. O Brasil acabava de ganhar a primeira Igreja e Paróquia dedicada à Divina Misericórdia! No entanto, a sua construção continuou até o ano de 1987. Os trabalhos, melhoramentos e acabamentos se estenderam por vários longos anos… O andar térreo da Igreja possibilitou a construção de salas para os movimentos e as pastorais. Já na parte final da igreja, há três pavimentos que possibilitaram a criação da Casa Paroquial.

Com a Igreja transformada em Paróquia, cresceu também a grande devoção à Divina Misericórdia, levando Pe. Tadeu e alguns fiéis a organizarem eventos como o da Festa da Misericórdia que acontecia no Maracanãzinho. Dela participavam o arcebispo do Rio de janeiro e vários bispos e padres. Hoje esta festa foi transferida para a catedral do Rio de janeiro. Pe. Tadeu organizou ainda um congresso dedicado à questão da Misericórdia de Deus, publicou documentos da Santa Sé sobre este assunto e uma pequena biografia da Irmã Faustina Kowalska e também santinhos e orações.

Para a divulgação da Misericórdia Divina, Pe. Tadeu (1996) lançou um meio extra-paroquial: o boletim paroquial. Este, mais tarde, despertou a atenção de Pe. João Sopicki que teve a brilhante ideia de ampliar e aprofundar a Divina Misericórdia lançando a revista “Raios da Misericórdia”. Assim, a devoção estava crescendo. Ainda eventos como cenáculos e retiros de carnaval abertos para todos divulgavam cada vez mais esse culto à Misericórdia. Com isso, a devoção tornava-se cada vez maior, não só nesta primeira igreja dedicada à Divina Misericórdia no Rio de Janeiro, mas em todo o Brasil.

Em 1992, Pe. João Sopicki é nomeado o pároco. Neste mesmo ano, com a fundação da Rádio Catedral da Arquidiocese do Rio de Janeiro, o terço da Misericórdia passou a fazer parte da programação da Rádio. Assim,  as celebrações e o culto à Divina Misericórdia passou a ser transmitido todas às sextas-feiras do ano. Em 1995, Pe. Ceslau Zajac toma posse como pároco. No ano seguinte é ordenado Pe. Antônio de Aguiar Pereira que fez uma grande divulgação das capelinhas com a imagem de Jesus Misericordioso que hoje visitam milhares de casas onde é rezado o terço e cada um procura colocar em prática as obras da misericórdia. Em 2005, Pe. Ceslau inicia a grande construção do Centro Pastoral da Divina Misericórdia, para onde também foi transferida a Casa Paroquial. Em 15 de março de 2009, Pe. João Sopicki novamente torna-se pároco. No dia 11 de abril de 2010, o arcebispo do Rio de Janeiro, Dom Orani Tempesta O. Cist. proclamou a Igreja da Divina Misericórdia em Santuário da Divina Misericórdia. Em 25 de novembro, o Santuário recebeu a visita do Cardeal Stanislaw Dziwisz, bispo da Cracóvia, que durante 39 anos foi capelão e secretário do então Cardial Karol Wojtyla, depois, Papa João Paulo II. Em várias ocasiões a igreja da Divina Misericórdia recebeu eventos palotinos, como: A Memória de São Vicente Pallotti, encontro da União do Apostolado Católico, Festival Palotino, ordenação diaconal e votos dos seminaristas palotinos. Muitos já fazem parte do calendário da paróquia.

Em 2011, o pároco foi o Pe. Cristóvão Sopicki. No ano seguinte, no Santuário, foi organizado o Primeiro Congresso Arquidiocesano da Divina Misericórdia. O Pe. João Sopicki foi o responsável pela organização do Congresso. Entre os dias 6 a 8 de junho de 2014, realizou-se o II Congresso Arquidiocesano da Divina Misericórdia, com o tema: ”Misericórdia: é ser devoto ou bom samaritano?” Durante o congresso, o Santuário recebeu com emoção a visita da relíquia de São João Paulo II que contém uma gota do seu sangue, retirado ainda em vida, e um pequenino pedaço do mármore da sua lápide, antes da exumação do seu corpo. O III Congresso Arquidiocesano da Divina Misericórdia no ano 2015 teve como tema principal: “Esperança e Confiança na Misericórdia”. A Santa Missa inicial foi celebrada pelo cardeal do Rio de Janeiro Dom Orani Tempesta, cujo tema foi “Sede misericordiosos como o Pai é misericordioso” (Lc 6,36).  Iniciou-se no dia 1º de julho de 2016 o IV Congresso Arquidiocesano da Divina Misericórdia. O V Congresso Arquidiocesano da Divina Misericórdia, diferente das outras edições, aconteceu num só dia, 20 de maio de 2017. Inspirado pelo Ano Mariano teve o tema “Nossa Senhora Mãe de Misericórdia” e o lema “Sua misericórdia se estende de geração em geração, sobre os que o temem” (Lc 1,50). Em 23 de junho de 2018, aconteceu o VI Congresso. E no ano vocacional 2019, o VII Congresso Arquidiocesano da Divina Misericórdia meditou sobre a “Vocação Sacerdotal e Misericórdia” e o lema: “Pedi ao Senhor da messe para que envie operários.” (Mt 9, 38). O oitavo Congresso, devido à epidemia de Covid19, foi realizado online no dia 20 de junho de 2020 com o tema “Vida e Memória do Beato Miguel Sopoćko”.

Em 2009, iniciou-se na comunidade, a Folia dos Reis. Começa a ser cantada no dia seguinte ao Natal e vai até o dia de Reis.  Um grupo de paroquianos saem da igreja e vão caminhando e cantando pelas ruas do bairro. Pe. João com seu acordeão, brinda a todos com canções de Natal. E quando o morador aceita a visita, é feita uma breve apresentação dos paroquianos e, então, realiza-se a oração e a bênção da família.

Em 29 de janeiro de 2012, após a Santa Missa celebrada pelo Arcebispo do Rio de Janeiro Dom Orani Tempesta, o Pe. Cristóvão Sopicki realizou a I Romaria ciclista, inaugurando o “Caminho de Nossa Senhora”, rumo ao Santuário Nacional de Nossa Senhora Aparecida.

No Ano da Fé (2013), o Santuário da Divina Misericórdia acolheu todos os fiéis que, em peregrinação foram lucrar as indulgências concedidas a todos os que receberam os sacramentos da reconciliação, da eucaristia, e rezaram nas intenções do Santo Padre.

Durante o Ano Santo da Misericórdia em 2015, foi aberta a Porta da Misericórdia. Por 11 meses, por ela passaram, pelo menos uns 9500 peregrinos, 70 caravanas! Em março de 2020 a paróquia recebeu o novo pároco: Pe. Jurandir do Nascimento.

Notícias