Beato Pe. José (Józef) Jankowski (1910-1941), mártir, padre Palotino, nasceu no dia 17 de Novembro de 1910 em Czyczkowy na Pomerânia (Polônia), foi batizado dia 20 de Novembro de 1910. No ano letivo de 1924/1925 iniciou a freqüentar o ginásio dos Palotinos em Suchary e em 1929 entrou na Sociedade do Apostolado Católico. Em 5 de Agosto de l931 fez sua primeira consagração palotina em Wadowice. Ordenado sacerdote dia 2 de Agosto de l936, dedicou-se ao trabalho pastoral; foi catequista em duas escolas. No início da Segunda Guerra Mundial deu uma grande ajuda espiritual e material para muitas pessoas (civis) e curou os soldados feridos. Em 31 de Março de 1941 foi eleito mestre de noviços. Preso pela Gestapo no dia 16 de Maio de 1941, foi deportado para o campo de concentração de Auschwitz onde, no dia 16 de Outubro de 1941, foi morto cruelmente por guardas do campo. Ele foi beatificado pelo Papa João Paulo II, juntamente com outros 107 mártires da Igreja da Polônia, no dia 13 de Junho de 1999 em Varsóvia.

A documentação  anexada ao Processo de Beatificação nos apresenta a pessoa de José como um sacerdote que, com uma perseverança e coerência extraordinárias realizou o seu programa de  santidade a exemplo de São Vicente Pallotti. O seu caminho espiritual pode ser caracterizado pelas mesmas palavras que ele escreveu em uma carta dirigida a seu irmão um ano antes da ordenação sacerdotal: “Meu ideal, naturalmente, deve abraçar Deus, o próximo e a mim mesmo… e disto, o motivo principal é o amor de Deus… Desejo amar Deus mais do que a minha vida“.

Na realização deste ideal, um valor especial para ele, era  o culto Eucarístico e a confiança filial à Mãe de Deus. No seu ato de consagração à Virgem Maria, lemos: “Maria, Virgem Santíssima, Rainha dos Apóstolos, minha Mãe amantíssima, desejo amar-te… Tu és Mãe do Divino Amor. Preencha o meu coração do amor de Deus. Preencha-me do Espírito Santo, como preencheste o nosso Pai e Fundador… Espero que me confiarás muitas, muitas almas. Minha vida seja destruída  para que governe no mundo o Teu Reino, para que domine no mundo o Reino de Cristo, Teu diletíssimo Filho”. A sua fé e a riqueza de sua personalidade encontrava expressão em seu ministério pastoral, que pode desenvolver no decorrer de apenas cinco anos. As testemunhas por unanimidade colocam em evidência o seu grande zelo pastoral inspirado no amor a Deus e ao próximo, a sua religiosidade, o seu trabalho, sua responsabilidade, prudência, justiça mas, sobretudo a sensibilidade para com os mais necessitados do povo, que o levava até mesmo a gestos heróicos.

Durante sua permanência de cinco meses no campo de extermínio de Auschwitz, um lugar de máxima penalidade de trabalho, de fome e de humilhação, Padre José sofreu muitas mortificações e torturas físicas, morais e espirituais. No dia 16 de Outubro de 1941, foi torturado pelo chefe (guarda da prisão) Krott e, em seguida pela causa dos maus-tratos recebidos, morreu na enfermaria. Tinha apenas 31 anos de idade. Uma testemunha ocular, Padre  Konrad Szwed, relata: “Meio morto pelo sanguinário Krott, foi baixado no hospital do campo. No dia seguinte fui visitá-lo, mas ele já estava morto, não sei se logo após os espancamentos ou uma injeção letal praticada regularmente em Auschwitz”.

Pe. José, vivendo sua vida consagrada Palotina de modo radical, deu prova contínua de total doação da sua vida “por amor a Deus”. Segundo o que as testemunhas disseram, ele declarou, e não apenas uma vez, de estar pronto para dar a vida pela fé. Não é,  portanto, nenhuma surpresa que, encontrando-se diante do perigo de vida, levava assistência pastoral e sanitária aos feridos e aos moribundos. Durante o interrogatório tomou sobre si toda a responsabilidade, mesmo que não tivesse nenhuma culpa, nem ele nem os outros prisioneiros. Sacrificando-se, queria tirar os coirmãos das conseqüências da prisão. Com base nas testemunhas pode-se constatar que a sua disponibilidade ao sacrifício pelo próximo, atestado pelas obras, pelo sofrimento, pelo tempo na prisão e no campo de extermínio e da morte, é mais do que uma virtude, é um heroísmo, caridade heróica que segue os passos da caridade de Cristo, porque “não há maior amor do que dar a vida pelos seus amigos” (João 15,13).

A fama do martírio do padre Jankowski, surgida após sua morte, tornou-se sempre mais forte, seja entre os palotinos como também entre os ex-prisioneiros do campo de Auschwitz e em grande parte entre os fiéis que, olhando para o seu caritativo ministério pastoral o estimavam um santo. Expressão de tal fama são os muitos relatos escritos por testemunhas oculares, as celebrações dos aniversários de sua morte, as numerosas publicações sobre ele, e finalmente a própria beatificação que ocorreu no dia 13 de Junho de 1999 em Varsóvia. Também são atribuídos à sua intercessão diversas graças obtidas de Deus. Sua memória litúrgica é comemorada no dia 12 de Junho, juntamente com o Beato José Stanek.

Oração Colecta

Deus todo-poderoso,
que destes aos beatos José Jankowski e José Stanek
a graça de sofrer pelo Cristo, ajudai também a nossa fraqueza,
para que possamos viver firmes em nossa fé,
como eles não hesitaram em morrer por vosso amor.
Por nosso Senhor Jesus Cristo…